O absurdo controle estatal – na Suécia

sueciaA Suécia, um dos mais ricos e desenvolvidos países do mundo é famoso pelo seu exemplo de como o estado pode cuidar bem dos cidadãos. Frequentemente, seu sistema político e baixos índices de corrupção são citados como uma utopia para a realidade brasileira. E em meio à guerra de palavras que tem tomado conta desses últimos tempos, a brasileira Daniela Farias  que mora por lá, resolveu nos dar uma visão do país escandinavo:

“Pros amigos querendo fugir da República Bolivariana Brasileira™, não recomendo a Suécia. É bolsa família, bolsa escola, bolsa desemprego, bolsa habitacao, bolsa-pros-asilados-da-Siria e os PRESOS VÃO PRA COLÔNIA DE FERIAS! A maior rede de televisão É ESTATAL! CADE A LIBERDADE DE IMPRENSA? E EU AINDA PAGO IMPOSTO PRA ISSO!

Meu salario é todo imposto e o que sobra não dá pra pagar empregada doméstica! Imagina, tenho de lavar minha propria privada, um horror! Tenho de andar de ônibus e bicicleta, NA NEVE!

E…segurem-se nas cadeiras….SÓ SE COMPRA CERVEJA NAS LOJAS ESTATAIS! DITADURA!

É praticamente a Venezuela, corram para Miami por favor. O iPhone também é caro aqui, não dá pra levar muamba pra revender.”

E como ela explica na continuação do post, teve gente com dificuldade de entender a ironia. Pobres nórdicos, caminham para a ruína e nem se dão conta. Culpa de viverem distraídos em meio a fiordes e auroras boreais.

O absurdo controle estatal – na Inglaterra

Inglaterra-ChamadaPois é meus caros, aparentemente Hugo Chávez se foi, mas sua influência no mundo não para de crescer. Imaginem só vocês mais um país acaba de sucumbir ao modelo golpista bolivariano e justamente um símbolo de desenvolvimento. O Grande Império,  os soberanos do velho mundo, a Terra da Rainha acaba de capitular perante os malditos esquerdistas. É o que nos conta Ivan Pregnolato:

Resolvi fazer a minha versão sobre as minhas experiências e observações no Reino Unido.

O Bolivarianismo Britânico*

*país que possui uma monarquia hereditária, uma aristocracia milenar (0,6% da população é dona de 69% das terras) e um governo CONSERVADOR desde as eleições de 2010. Mas extremamente bolivariano! A ver:

1 – Desde o escândalo do jornal News of the World em 2011 (o jornal ilegalmente acessava voicemails de pessoas a fim de obter ‘furos’ de reportagens), o governo britânico estabeleceu uma serie de marcos regulatórios para a mídia a fim de não permitir abuso por parte dos veículos de comunicação. Entre eles estabeleceu-se o Independent Press Standards Organisation (Ipso) que regula a atividade da imprensa e aplica pesadas multas àqueles veículos que fujam de padrões éticos do jornalismo. Uma verdadeira afronta bolivariana à liberdade de expressão no país de titia Beth! (http://goo.gl/xR4JEF) (http://goo.gl/TkXNxH).

2 – A principal emissora no Reino Unido é a estatal British Broadcasting Corporation (BBC). Um clássico caso de propaganda e lavagem cerebral centralizador típica de governos totalitários como o britânico (http://goo.gl/xFz4oA).

3 – A BBC é principalmente mantida pela taxa da TV Licence, obrigatória a todos aqueles que possuem TV em casa. A taxa custa £145,50 anuais (R$594,85) por domicílio. Uma vergonha! Onde já se viu cobrar pela TV aberta? Chávez certamente apoiaria tal política! (http://goo.gl/RfaeZD)

4 – Somente durante o governo atual (CONSERVADOR em coalizão com os liberais-democratas) foram levados a cabo três plebiscitos sobre três questões distintas: devolução parcial de poder ao País de Gales, mudança ou não das regras do processo eleitoral britânico e se a Escócia iria ou não se separar do Reino Unido. Um uso flagrante de plebiscitos como armas populistas e perigosamente populares! (http://goo.gl/FI31U0).

5 – Há uma taxa DIÁRIA de £11,50 (R$47,02) para aqueles que queiram dirigir seus carros no centro de Londres de segunda a sexta ate as 18:00 horas (‘congestion charge’). A multa para aqueles que não tenham pago é de £130 (ou £65 se paga em 14 dias do dia da multa) – R$531,48 e R$265,74, respectivamente. Uma verdadeira atitude bolivariana e afronta ao direito divino de ir e vir do cidadão londrino. O logo da ‘congestion charge’ é um grande C em um fundo VERMELHO! Coincidência? Eu acho que não!!! (http://goo.gl/C4x55G) (http://goo.gl/0cw5aJ).

6 – Os parlamentares britânicos normalmente possuem um dia da semana (‘surgeries’) em que membros de suas respectivas constituintes podem consultá-los e propor questões para serem levadas adiante a seus respectivos partidos políticos. Uma clara deturpação bolivariana da democracia representativa (http://goo.gl/BUCmq1).

7 – Aqueles que possuem uma renda de mais de £150.000,00 anuais (R$613.249,09) (o valor mais alto da tabela tributária) pagam 45% de impostos ao governo britânico. Antes mesmo de terem o dinheiro depositado em suas contas. Um verdadeiro caso de estelionato econômico por parte do governo. Praticamente um golpe bolivariano/neocomunista/confiscador mensal (http://goo.gl/9MQCBf).

8 – Aqueles que recebem £10.000,00 anuais (R$40.883,27) ou menos (o valor mais baixo da tabela tributária), não pagam impostos sobre seus salários. Introduzido pelo atual governo CONSERVADOR (o teto anterior era mais baixo), essa medida claramente possui um indiscutível viés bolivariano populista em que os empregadores arcam com os tributos do país em nome da vagabundagem coletiva da massa malcheirosa (http://goo.gl/9MQCBf).

9 – É comum que a classe trabalhadora britânica vá a Europa continental (Espanha e Grécia são destinações populares) em suas despedidas de solteiro(a) por meio de passagens de avião bastante baratas. A falta de glamour em se viajar por vias aéreas na Europa ao lado desta massa malcheirosa em seu torpor alcoólico mostra claramente as nefastas consequências de um pais dominado pelo bolivarianismo populista tributário acima descrito.

10 – Os desempregados britânicos recebem a quantia de, no máximo, £72,00 (R$295,99) por semana. Um absurdo! O bolivarianismo britânico deveria se espelhar em repúblicas que recentemente também adotaram o bolivarianismo na América Latina (como o Brasil) que pagam em média somente R$150,00 por mês (http://goo.gl/dPiYIx) (http://goo.gl/t2WNqe).

11 – O governo britânico gasta 15% de seu PIB em bem-estar social (‘welfare’) anualmente. Um sangramento das contas públicas que compra o voto dos vagabundos! Novamente, o Brasil deveria servir de inspiração para a diminuição de tais gastos, pois gasta somente 2,86% de seu PIB com a sua massa malcheirosa. E faz muito bem! (http://goo.gl/MSCjWy) (http://goo.gl/PxgmkN).

12 – O sistema estatal de saúde britânico (National Health Service – NHS) é gratuito e de grande porte. Emprega diretamente 1.7 milhões de pessoas (um número absurdo de funcionários públicos!!!) e possui um

orçamento colossal de £108,9 bilhões (R$445,22 bilhões). Um verdadeiro desperdício de verba pública em nome da perversidade ideológica do bolivarianismo! (http://goo.gl/cdVM8F).

13 – O paciente do NHS, se receitado medicamento, paga apenas £8,05 (R$32,91) pela receita em troca do remédio, independente de qual: de loção para espinhas a medicamentos para tratamento de câncer (por exemplo). Uma verdadeira fogueira com os impostos do empresariado britânico! (http://goo.gl/EUJNw2).

14 – Os desempregados que recebem seguro-desemprego do governo, os idosos com mais de 60 anos, os menores de 16 anos, aqueles de 16 a 18 anos que estudam integralmente, grávidas e mais tantos outros nem pagam pela receita. Ganham medicamentos de graça! Certamente tal bolivarianismo populista nos levará todos ao abismo!! Não pode dar o peixe, tem que ensinar a pescar! (http://goo.gl/EUJNw2).

15 – Há ciclovias por todos os lados no Reino Unido. O prefeito de Londres, CONSERVADOR bolivariano que é, não satisfeito com o número de ciclistas em sua cidade, ainda introduziu bicicletas para alugar (em conjunção com o banco Barclays, uma instituição extremamente esquerdista) por £2,00 por dia (R$8,18) pela cidade inteira. A moda pegou e vários centros urbanos adotaram essa mesma medida babaca bolivariana (http://goo.gl/2Ld58w) (http://goo.gl/pKs4HE).

16 – O casamento entre pessoas do mesmo sexo entrou em vigor na Inglaterra e no País de Gales a partir de março/2014 e entrará em vigor a partir de dezembro/2014 na Escócia. Se isso não mostra o quanto estamos vivendo sob uma ditadura gayzista e feminazi bolivariana na ilha de titia Beth eu não sei o que mostra! (http://goo.gl/K7U2EY).”

Será o fim do Império Britânico ? Como puderam deixar os movimentos populares irem tão longe ? Talvez tenha faltado um governador sem medo de usar a polícia com pulso firme. Ou quem sabe, um choque de gestão.

O absurdo controle estatal – na Alemanha

aleSeria a Alemanha o país das bolsas ? Como é possível o país mais rico da União Europeia se sustentar com tanta gente mamando nas tetas do governo ? Ou afinal de contas descobriremos que o pai do Bolsa Família não foi nem Lula nem FHC (com Bolsas Escola e Gás), mas que podem ter sido inspiradas em boas ideias já implementadas em outras nações ? Vejamos o que nos diz Alex Alves Tolkmit sobre o governo germânico:

“Como o “Bolsa Família” só cria “acomodados” e “vagabundos” que não querem trabalhar a “afundam o país”, vai aqui uma PARTE da lista dos “bolsa alguma coisa” deste país de “vagabundos”, “acomodados” que não levam o país a lugar algum: a ALEMANHA! (Provavelmente “Comunista” para os olhos de alguns que olham esta lista mas, pelo que parece, o QUARTO país mais rico e capitalista do planeta – mas isto deve ser também uma “conspiração”…).

Aqui porque os alemães são “vagabundos”:

“bolsa pobre” (Hartz IV antigo sozialhilfe) pra todo mundo que é “pobre”= R$1227,19
– se vai ser mãe, 17% a mais
– se é pai/mãe solteiro, até 60% a mais; 12% por criança;
– com uma deficiência qualquer, 35% a mais (fora outros auxílios!)
– etc

TODAS as pessoas tem direito a habitar num espaço de 45 m² para uma pessoa, 60 m² para duas e 15m² suplementares para cada integrante da família e o GOVERNO paga a diferença de aluguel se isto não for possível com as condições financeiras das pessoas.

Por lei, todas as casas/apartamentos alugados tem que ter água, luz e aquecimento e TODAS as pessoas tem o direito a isto, com intervenção e ajuda do governo se não houver.

“bolsa desemprego” – durante 150 dias o GOVERNO paga seu último salário para você até o limite de R$16. 119, 39. Depois disto você passa para o “bolsa pobre”.

“bolsa criança” (kindergeld), não só para pobres mas para muitos que pertencem à classe média baixa = R$575,92 por criança, depois do terceiro aumenta…

“bolsa pais” (elterngeld), para pais que se ocupam de suas crianças = R$938,99 a mais sobre os outros benefícios.

“bolsa universidade” (Bafög) = o Governo paga a universidade e, somente se você se empregar depois e passar a ganhar acima de um certo salário, ele cobra parcelas pequenas sem juros deste montante!

“bolsa creche” (Kindesunterhalt) = o Governo paga um montante relativo aos ganhos da família para a criança ir para a creche ou, se ficar em casa, a família ganha este montante. É relativo ao salário da família.

“bolsa casa” (Wohngeld) = o governo ajuda a pagar seu aluguel, calculado em função das leis de condições mínimas, dos salários da família ou adicionado ao “bolsa pobreza”.

“bolsa falência” (Insolvenzgeld) = se você for a falência e não tiver dinheiro para pagar teus funcionários mesmo depois de tudo vendido, o governo garante estes salários.

E há muito mais e, em termos de “regulamentação”, tenho a impressão que a Alemanha é dos países que mais as tem e são tantas que eu teria que escrever um livro sobre como o Governo regulamenta qualquer coisa, desde filmes e imprensa até a largura de escadas em escolas, sejam públicas ou privadas (que quase não há pois é lei todas as crianças irem para a escola – com pena até de prisão para os pais que negarem! – e é dever do governo proporcionar esta oportunidade!).

Mas acho que já deu para ter uma ideia do porque os Alemães são tão “vagabundos”, “não querem trabalhar”,  “não produzem nada que preste” e são “voto cabresto”. É um povo muito burro, acomodado e subdesenvolvido…

Aqui o link para quem quiser mais informações: http://www.sozialleistungen.info/

Ai está, esta é uma pequena ideia de como uma das nações mais admiradas do mundo trata suas questões sociais. Talvez seja mesmo o caso do Brasil abandonar o seu povo e desistir da democracia em busca do desenvolvimento. Porque não trazer de volta os militares não é mesmo, eles foram tão bons para nós. Inclusive há quem defenda que somos tão atrasados por não nos envolvermos em guerras, talvez seja o impulso que nos esteja faltando. Preparem-se Argentina e Venezuela, o Império do Brasil há de se erguer contra seus desmandos!

O absurdo controle estatal – na Austrália

auNesse ano de discussões tão acaloradas, a cada momento surgem novos focos de  polêmica e desentendimento. E um dos argumentos mais repetidos e ignorantes é “isso só acontece no Brasil”. Parece impossível enxergar que outros países sofrem com a carga tributária, a corrupção, a falta de transporte, quando não tem situações mais graves como guerras, golpes políticos e epidemias.

A moda da semana é bradar contra a instalação do Bolivarianismo no Brasil, ainda que praticamente ninguém saiba do que se trata.  Se o medo é de um controle maior do estado, olhemos o exemplo da Austrália, país que muitos brasileiros sonham conhecer ou até mesmo morar:

20 RAZÕES PARA QUEM QUISER FUGIR DO “BOLIVARIANISMO” NO BRASIL ‪NÃO‬ IR PARA A AUSTRÁLIA
(compartilhado de Andre Levy) – Do grupo do CAASO no Facebook.

1. Para tudo há conselhos de movimentos sociais (peak bodies), e os governos os consultam e prestam-lhes satisfação regularmente (bit.ly/1san6Qa).

2. O governo paga até R$1562 de Bolsa Família (Parenting Payment, bit.ly/1pgKakt), sem qualquer exigência como frequência escolar ou vacinação (no Brasil os beneficiários recebem em média R$5 por dia para a família toda).

3. Não se pode fazer reforma em casa sem submeter seu projeto à consulta pública, através da prefeitura, exigindo que se pendure um aviso na porta da tua casa por duas semanas ou mais para quem quiser consultá-lo e apresentar objeções. Se os teus vizinhos não gostarem da ideia, a prefeitura não aprova (bit.ly/10jbDX2).

4. Há piscinas públicas nas praias e churrasqueiras nos parques de uso gratuito, pagas com o bolso do contribuinte.

5. As cláusulas dos contratos de aluguel residencial são ditadas pelo governo do estado (bit.ly/1phlBE4).

6. Não se pode trabalhar de barman sem licença específica para servir álcool (RSA, onlinersa.com.au).

7. Não se pode vender álcool em mercados e supermercados; só em lojas licenciadas pelo Estado (bottle shops, bit.ly/1DWVymW).

8. Não é permitido trabalhar de eletricista, encanador ou pedreiro sem licença do Estado (professional license, bit.ly/1e43SWa).

9. Não é permitido abrir um cabeleireiro sem licença específica do Estado (business license, bit.ly/1pgLuEb).

10. Tem ciclovia para todo lado e é proibido andar de bicicleta sem capacete ou na calçada. A multa por não usar capacete é R$115 em Sydney (bit.ly/1uounCc), R$332 em Adelaide (bit.ly/1go9IaK) e R$400 em Melbourne (bit.ly/1x2Ojsb).

11. Todos os filmes exibidos em cinemas, festivais e instituições de ensino precisam passar pela censura (Classifications Board, classification.gov.au).

12. Não é permitido o marketing de cigarros e produtos de tabaco, nem mesmo na própria embalagem (bit.ly/1mbSZIv).

13. O salário mínimo é R$5395 a.m. (bit.ly/1mKLtkZ, alguém pode por favor avisar o Armínio Fraga?)

14. Em Melbourne o governo subsidia 88% do transporte público (bit.ly/1wZ4AgK). A Prefeitura de São Paulo subsidia 20%.

15. Os nativos que moram em áreas remotas recebem uma Bolsa Aborígene de R$76 a.m. (bit.ly/1zrGz6q).

16. Paga-se em média R$3600 a.m. de impostos diretos e indiretos (no Brasil são R$830).

17. Tem 1 funcionário público para cada 13 pessoas (no Brasil tem 1 para cada 17).

18. Paga-se ao governo do estado R$235 a.m. para ter 1 vaga de carro na área central de Melbourne para desestimular as pessoas a irem de carro para a cidade (congestion levy, bit.ly/1A3Vipo).

19. Os governos estaduais recomendam livros LGBT para pré-adolescentes (bit.ly/1tVjsxO).

20. O voto é obrigatório e a multa é R$43 (no Brasil é R$3,51). Se não justificar ou pagar a multa, irá para a justiça. Se o eleitor for considerado “culpado”, a multa sobe para R$370 mais os custos do tribunal e o “culpado” pode ficar fichado na polícia (bit.ly/1ySOAyc). No Brasil não há criminalização e quaisquer sanções são suspensas assim que quitada a multa de R$3,51 no cartório eleitoral.

 

Em breve mais exemplos de como outros países tratam problemas que encontramos no nosso dia a dia.

Atrasos da ciência no Brasil

imagesReproduzimos aqui reportagem com a professora da UFRJ Suzana Herculano-Houzel, sobre o pensamento antiquado brasileiro com relação aos cientistas  e o papel do estudante na produção científica:

Nos últimos anos, o Brasil vem acumulando bons resultados em rankings de produção científica. No último levantamento feito pela consultoria Thomson Reuter, entre 2007 e 2011, o País correspondeu a 2,6% da produção científica global. No entanto, esses artigos, que ultrapassam a barreira das 25 mil publicações por ano, não são feitos por cientista e sim por professores.

A avaliação foi feita pela neurocientista e professora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Suzana Herculano-Houzel. Para ela, o fato de não haver regulamentação da profissão cientista atrasa o desenvolvimento tecnológico do Brasil.

“Não posso dizer que neurocientista é minha profissão, porque a minha profissão de cientista não existe no Brasil. Não está na tabela das profissões regulamentadas pelo Ministério do Trabalho (MTE). Para poder atuar como cientista, eu atuo como professora de nível superior, eu literalmente faço ciência nas horas vagas”, expôs.

A professora explicou que a maior parte da ciência no Brasil por professores universitários ou por pessoas que não tem emprego nenhum, jovens cientistas chamados estudantes de pós-graduação. “A produção científica cresce ao longo dos anos por causa do número de mestres e doutores que são formados no Brasil. São esses jovens que produzem o conhecimento científico”, disse.

Para ela, o trabalho que os jovens exercem não é chamado de trabalho e sim estudo. “É como se eles investissem na educação deles. Outros países já não cometem mais esse erro. O erro é não reconhecer esse trabalho como qualquer outro”, lamentou. “É um esforço laboral que gera um produto científico. Por que o jovem cientista recém graduado precisa passar pela humilhação de continuar sendo estudante?”.

Baixa remuneração

Suzana Herculano-Houzel contou que durante uma graduação o jovem já faz ciência como aprendiz, ou seja, um estagiário durante a iniciação científica, ganhando uma bolsa que tem o valor menor que o salário mínimo muitas vezes. Para trabalhar com ciência, quando ele se forma tem que entrar para pós-graduação. “Isso significa se sujeitar a uma bolsa de mestrado de R$ 1,5 mil reais mensais fixos pelos próximos dois anos sem qualquer direito trabalhista ou qualquer outro trabalho para complementar a renda”, observou .

A professora criticou ainda a obrigatoriedade em assinar uma declaração de que não vínculo empregatício do pesquisador com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e/ou com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “É preciso passar por mais uma humilhação: o atestado de pobreza. Enquanto isso seus colegas recém formados em engenharia e direito, por exemplo, já têm trabalho de verdade, ganhando de verdade”.

Para o jovem continuar trabalhando como cientista, ele precisa ingressar num programa de doutorado. “É a única atividade de emprego se ele quiser atuar como cientista. A bolsa também tem valor mensal de R$ 2,2 mil, sem nenhum vínculo empregatício e benefícios trabalhistas”, comentou.

Sugestões

De acordo com Suzana, é possível fazer contratações por fundações e institutos de ciências ligados as universidades, que poderiam receber dos governos os valores que hoje são pagos como bolsa, com contrato de trabalho e todos os direitos empregatícios. “Com a obrigatoriedade de contratação virá a possibilidade de salários com valores competitivos”, descreveu.

Para ela, dessa forma, a ciência caminha e a sociedade cresce. “É fundamental para a soberania de uma população que ela valorize a produção de conhecimento científico. Isso começa por valorizar seus cientista. Fazer ciência no Brasil hoje, infelizmente, é uma péssima decisão profissional com pouquíssimas perspectivas”, finalizou.

A quem interessar, nesse link pode ser baixado o áudio de um seminário com a professora tratando do tema.

Fonte.